Todos temos um lugar, uma personalidade e um viver no caminho para a morte.
Domingo, 03 de Maio de 2009

 

 

     Hoje,  3 de Maio, é o Dia da Mãe, dia  em que qualquer filho e respectiva mãe, ainda vivos, recordam  com amor e carinho, ainda que com uma ou outra excepção que nada nubla este santo dia, suas tão estreitas e tão originais relações, inigualáveis, passando o dia juntos, ou pelo menos algumas horas ou momentos,  na medida em que puderem, ou em que  filhos e mães recordam com saudade tão triste, lutuosa, os que deles já morreram.

     Actualmente o Dia da Mãe comemora-se no primeiro domingo de Maio, mas já se comemorou a 8 de Dezembro.

     A seguir  insiro neste meu blogue um poema que há muitos anos, umas quatro dezenas de anos, dediquei às mães, poema singelo, em quadras, em que friso, sempre no primeiro verso, de quatro sílabas, uma das qualidades de uma mãe e depois, nos três versos seguintes de cada quadra, de sete sílabas, explano, relativamente, claro, cada uma dessas qualidades das mães.

 

 

                                                         MÃE

 

                                                    

                                Mãe, doce mãe,

                                que ao ventre deste calor,

                                a carne da tua carne

                                e alma do teu amor;

 

                                mãe, estóica mãe,

                                sublime na hora do parto,

                                corpo rasgado de dor

                                e coração de amor farto;

 

                                mãe, pia mãe,

                                corpo em cansaço prostrado,

                                na luta do pão para os filhos

                                em suor  e amor amassado;

 

                                mãe, meiga mãe,

                                no mal divina enfermeira,

                                com remédios de carinho

                                que duram a vida inteira;

 

                                mãe, triste mãe,

                                que vês teu filho abalar

                                para a guerra crua e atroz,

                                sem saber se o vês voltar;

 

                                mãe, pobre mãe,

                                que o filho longe morreu,

                                chora para sempre tua alma

                                a riqueza que perdeu;

 

                                mãe, santa mãe,

                                alma e corpo aos filhos teus,

                                tesouro noutro tesouro,

                                um bocadinho de Deus.   

 

 

                         

                                (Poema meu.)                  

 

 http://olhaioliriodocampo.blogspot.com/2007_12_01_archive.html                                                                                                       

                                                                              Mírtilo  

                                                  

  

 

                                                    

 

                                          

 

         



 

     Domingo é o dia geralmente consagrado ao descanso, é um dia em que, pela legislação do trabalho, se interrompe, ou deve interromper, durante esse dia, a relação laboral com a entidade patronal, seja ela uma entidade além de nós, ou propriamente nós, para efeitos de descanso.

     O domingo é, ou deverá ser, obviamente mais do que os outros dias, dedicado à família, aos amigos, à sociedade e, digamos, porque não, também à religião, pelo menos para as pessoas mais crentes e mais praticantes religiosamente.

     A palavra domingo, que em latim se dizia «dies dominicus», isto é, «dia do Senhor»  – e diga-se que todos os dias em latim tinham a palavra «dies» («dia») –,  ao passar para português deixou cair o elemento «dia», e o elemento fundamental, «dominicus», um adjectivo, com o acusativo «dominicum»  – e era do acusativo latino de adjectivos e substantivos que se fazia o aportuguesamento –, viria a dar em português «domingo».

     Entre os Cristãos, o domingo deve ser  realmente consagrado ao descanso e à oração, formulando-lhes a Igreja o dever de irem à missa.

     É claro que há actividades, hoje muito mais que antigamente,  em que alguém tem de trabalhar ao domingo, para bem dos que descansam. 

                                                                                                          

                                            *  *  *    

 

     Deixarei aqui, a seguir, um poema de domingo, que há muitos anos fiz, num início de Primavera, aí pelos fins da década de sessenta, poema simples e realista naquela altura, mas que hoje ainda mantém muito do seu realismo.

 

 

                                                                     

                                    POEMA DE DOMINGO

 

 

                        É domingo,

                        um sol bonito banha o dia,

                        e apaga as imagens tristes

                        dos dias de frio e chuva; 

                        é dia de descanso,

                        há doce imobilidade

                        pelas ruas e recantos

                        e das casas sai pouca gente,

                        como se o sol da manhã

                        fosse por todas as janelas

                        afagar e adormecer as pessoas;

                        é dia do Senhor;

                        nascem flores em prados e montes,

                        pássaros gorjeiam seus arroubos,

                        espreguiçam-se os mares,

                        canta-se a missa nas igrejas

                        e o eco estremece-as

                        divinamente;

                        é dia do Senhor,

                        é dia do Senhor;

                        pelos campos e aldeias

                        dormem as noras e os carros,

                        os tractores e os arados,

                        ruminam os animais

                        e os homens fumam ao sol,

                        mansamente,

                        encostados aos muros;

                        nos jardins de Lisboa

                        lêem-se ao sol os jornais,

                        engraxam-se os sapatos,

                        e os cegos não esmolam nas ruas;

                        é dia do Senhor,

                        é dia de paz ...

                        Mas há tantos corações

                        em que é dia de tristeza,

                        desengano, angústia, 

                        crueldade, luto ...

                        Oh! Lá longe, noutras terras,

                        noutros continentes,

                        não há paz para os homens,

                        não é dia do Senhor ...

                        Selvas de África,

                        da América Latina,

                        planaltos da Ásia,

                        desertos do Médio Oriente ...

                        aí atroam armas e mais armas,

                        explodem bombas e mais bombas,

                        corre sangue e sangue,

                        é dia de horror, sem sol,

                        noite de fogo, pavorosa,

                        guerra, destruição, morte

                        – oh, que dia tão triste e negro

                        pode ser o dia do Senhor!...

 

 

                        (Poema meu.)

 

  http://www.cosmo.com.br/noticia/21330/2009-02-11/missas-lembram-o-dia-dos-enfermos-em-campinas.htmlhttp://parquedospoetas.blogspot.com/2009/01/imagens-da-guerra-gaza-israel.html

                                                                               Mírtilo

publicado por Mírtilo MR às 12:33


mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
14
15
16

17
19
20
22
23

24
26
27
29
30



Últ. comentários
Caro Amigo:É já tarde que venho responder ao seu c...
Caro amigo, embora tardiamente, quase tudo se sabe...
Poetaporkedeusker:Grato pela visita a esta «sepulc...
MírtiloE se eu te disser que também tenho medo des...
Esqueci-me de dizer duas coisas... ainda estou "a ...
:) entendo, Poeta. Mas eu penso que quero e posso ...
Poeta, é bem verdade! Todos nós vamos cavando as n...
Maria Luísa:Os meus agradecimentos pelas tuas vári...
Poetaporkedeusker:O meu agradecimento, muito atras...
MírtiloTe continuo esperandoE vou sempre esperar!B...
favoritos

PEDAGOGIA DO AFETO

links
subscrever feeds