Todos temos um lugar, uma personalidade e um viver no caminho para a morte.
Segunda-feira, 18 de Maio de 2009

 

    

      O homem, pelo progresso, luta cada vez mais contra a Natureza, sobretudo no âmbito da construção civil e obras públicas, tantas vezes revolvendo e destruindo terras agrícultáveis ou de floresta, desagregando ou desfazendo massas de rochas, podendo com isso desequilibrar em algo o ecossistema de uma região ou de um local, ou  provocar alguma carência de alimentos ou de matérias-primas vegetais, que depois terão de ser importados, ou podendo causar deslizamentos de terras que poderão ser perigosos sobretudo para vidas humanas, ou morrerem alguns trabalhadores enquanto trabalham, devido às, por vezes, tão deficientes condições de trabalho, tão arriscadas, dando origem a tantos acidentes de trabalho, que põem Portugal a esse respeito, infelizmente, num dos lugares cimeiros na Europa. 

     O chamado progresso, ainda que útil, muitas vezes assemelha-se a uma entidade contra a qual parece não se poder parar e ter de se lhe dedicar tudo o que seja moderno e considerado necessário e que traga grandes lucros em dinheiro, camuflados de conforto e de postos de trabalho, embora às vezes seja pior a emenda que o soneto.

     Enquanto trabalham, os trabalhadores, além de se lhes dever dar todas ou o máximo de condições de segurança, implementadas pelas próprias empresas e fiscalizadas pelas  inspecções do trabalho oficiais, devem, eles próprios, desempenhar os seus serviços cumprindo rigorosamente as normas de segurança e, mesmo assim, com o máximo de precaução e atenção.

     O pior de tudo é que sempre houve e continua a haver falhas, por vezes graves e trágicas, ao nível das empresas empregadoras, ao nível  das inspecções oficiais e ao nível também dos trabalhadores, a que podem juntar-se também, posteriormente, depois dos acidentes, falhas no funcionamento dos hospitais.

     Transcrevo, a seguir, um poema que há muitos anos fiz, algo relacionado com o que foi dito atrás.

 

 

 

                                                    O homem  e a rocha

 

 

A rocha espera, espera,

silenciosa,

no seu leito de monstro morto,

embebida em tempo que a não desperta

com carícias de mole cinzel;

mas o homem,

que não se conhece

e se procura

no éter  e nos avessos do que pisa,

vai ali

procurar-se:

 

olha,

pensa

e despreza a vontade do pétreo ser;

empunha sua máquina,

martelo pneumático,

que às vezes lhe trai

a pátria de raciocínio,

e toca de a fazer rugir

como o mais feroz monstro

contra o sono de pedra

velado por milénios.

 

É monstro

contra monstro,

homem de rocha

e rocha para homem;

ruge o homem na máquna,

a pedra ameaça com chispas;

há desafio,

há luta;

o homem arqueja

e rende-lhe a rocha dois calhaus;

ambos estão exaustos;

armistício.

 

O contendor humano

muda rios de suor

do cimo da testa

para as costas das mãos

e olha o adversário com ódio,

e a pedra aguarda

toldada pelo seu suor de pó.

Cospe o primata nas mãos,

esfrega uma na outra

e de novo o combate:

 

luta,

rugidos,

chispas,

teimosia de onagro,

firmeza de rocha,

uivos de dor do ferro,

chispas,

raiva,

e de repente ...

 

Rasga

as frenéticas entranhas do homem

um berro de dor selvagem,

voam-lhe da máquina as mãos

para arrancar ao olho ferido

a flecha de pedra

que lho cega

e lho queima em vulcão de loucura.

 

Inútil o seu desespero,

uiva,

esfrega,

chora,

está cego,

louco de dor ...

 

A ambulância vem buscá-lo,

estridentemente,

e despeja-o no hospital.

 

E a rocha

esfria e adormece de novo,

como as enormes e plácidas pedras,

no fundo do tempo infinito.

 

 

 

 

(Poema meu.)

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                                     Mírtilo

 

 

 

 


O homem pode ter a fortaleza das rochas, mas outros homens os podem despedaçar como areia
beijo
luna a 18 de Maio de 2009 às 22:28

Luna, agradeco-lhe a visita e o comentário a este artigo do meu blogue.
Um beijo respeitoso para si.

Mírtilo
Mírtilo MR a 19 de Maio de 2009 às 12:22

Mírtilo

Na realidade, vir visitar o seu blog é necessário ter algum tempo, de tão interessantes e pertinentes os temas nele postados. A sua poesia também me cativou bastante, é translúcida, forte, contextual, tem uma "alma" que me agrada!
Esta questão da segurança no trabalho é um tema que me diz muito, pois lido com ele no meu dia a dia, por via da minha profissão. Muita coisa há para fazer neste campo, essencialmente a mudança de comportamentos, uma vez que em termos de legislação não temos muito que nos queixar, porque ela existe, exceptuando a questão das entidades seguradoras, que são um caso sempre muito "bicudo" de se lidar. O caminho para minimizar os riscos e os dramas que todos os dias se nos deparam, é essencialmente a atitude dos intervenientes nesta questão, entidades patronais, trabalhadores, Inspecção de Trabalho, porque a negligência, a ignorância colocam em causa todos os dias as nossas e a vida de cada um!

O seu poema é maravilhoso de tão verdadeiro. Sublimes as suas palavras, ruidosas, feridas...um grito!

Abraço
Utopia das Palavras a 19 de Maio de 2009 às 15:00

Muito agradecido, «Utopia das Palavras» (Ausenda), pelas tão louvantes palavras, quase a laurear-me, referentes ao meu artigo «Acidentes de trabalho» e com o poema «O homem e a rocha» anexo. É realmente gratificante que gostem, nem que seja um pouco, do que fazemos. Concordo com o que diz: a maneira como posto os artigos, isto é, um texto, pequeno ou maior, mas geralmente não extenso, de introdução, e depois um poema de tema a encaixar no texto introdutório, o conjunto, concordo, faz perder algum tempo, comparado com a curteza, a pequenez, dos «posts» em geral e confrontado com o pouco tempo que as pessoas costumam ter para ler. Quanto à «alma» que diz encontrar na minha poesia, concordando eu com essa sua asserção ou suposição, sempre eu poeticamente tento imprimi-la, pois afundo-me em mim tantas vezes tentando trazê-la ao poema, ou paradoxalmente vou procurá-la longe de mim, noutra pessoa ou noutro lugar, às vezes irreais ou quase.
Mas, apesar de me considerar intimista, também sei ser, quando necessário, objectivista, realista, funcionalista ...
Uma vez mais, a minha gratidão pelo tecido elogio ao conjunto do meu artigo (sabe, a palavra «post», por não ser português, faz-me algum «prurido mental» - é que a língua portuguesa agrada-me a valer, é com ela que sempre cumpridoramente trabalhei).
Respeitoso beijo.

Mírtilo
Mírtilo MR a 19 de Maio de 2009 às 16:45

Amigo Mírtilo! Em primeiro lugar devo dizer-lhe que acho bastante interessante o modo como expõe cada um dos seus poemas. Talvez devido ao teor da sua poesia, penso que são uma mais valia as intoduções que faz. Sendo os seus poemas pequenos alertas ou chamadas de atenção para problemas quotidianos abrangentes, faz todo o sentido colocar também esses seus artigos de opinião. Num plano mais individual, este seu último trabalho diz-me directamente respeito, pelo simples facto de eu ser um operário da construção civil ( montador de tectos falsos) e poder identificar alguns dos riscos que se correm diariamente nos locais onde trabalho. Aliás, já fiz vários poemas intitulados "Trabalho nas obras", onde exponho situações, não só as condições de trabalho mas também a forma como muitos dos trabalhadores são tratados, tanto por encarregados como por engenheiros e arquitectos. Para poder ficar mais atento ao seu trabalho poético e crítico vou adicioná-lo como amigo. Assim, sempre que colocar um dos seus textos neste blogue eu receberei o que escreve e poderei, com mais facilidade acompanhar o seu trabalho. Prepare-se, porque os meus comentários não costumam ser assim tão longos. Na maior parte das vezes comento de um jeito muito próprio ( uma ou duas quadras). Abraço.
manu a 19 de Maio de 2009 às 20:24

Amigo «Manulomelino» (Emanuel, creio), o meu grande agradecimento pelo seu elogio ao conjunto do meu artigo (postagem), um texto introdutório, tipo alerta ou chamada de atenção, mais ou menos actual, e um poema que com o referido texto se conjuga, tal como você disse.
Achei que era uma boa forma de expressar as ideias, um misto de prosa e poesia, de idêntico tema, embora me dê mais trabalho e mais perda de tempo. É que, também como explicação, eu tenho poemas, uns razoáveis e outros não, a propósito de quase tudo. Além do que lhe disse em comentário ontem ao seu blogue, uso também muito o soneto a versar acontecimentos do dia-a-dia, muitas vezes de feição satírica.
Um abraço.

Mírtilo
Mírtilo MR a 19 de Maio de 2009 às 23:19

Olá Mírtilo
Lamento, também, que ainda hoje haja tanta negligência nas condições de trabalho. As vidas que se destroem quando o que ser quer é ganhá-las...
O seu poema, embora diferente, trouxe-me à cabeça A Construção do Chico Buarque.
Triste realidade!!
Lúcia a 21 de Maio de 2009 às 10:21

Lúcia, agradecido pelo seu comentário e mais ainda por lhe fazer lembrar em algo a canção «A Construção» desse génio Chico Buarque.
Um beijo amistoso.

Mírtilo
Mírtilo MR a 21 de Maio de 2009 às 16:15



mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
14
15
16

17
19
20
22
23

24
26
27
29
30



Últ. comentários
Caro Amigo:É já tarde que venho responder ao seu c...
Caro amigo, embora tardiamente, quase tudo se sabe...
Poetaporkedeusker:Grato pela visita a esta «sepulc...
MírtiloE se eu te disser que também tenho medo des...
Esqueci-me de dizer duas coisas... ainda estou "a ...
:) entendo, Poeta. Mas eu penso que quero e posso ...
Poeta, é bem verdade! Todos nós vamos cavando as n...
Maria Luísa:Os meus agradecimentos pelas tuas vári...
Poetaporkedeusker:O meu agradecimento, muito atras...
MírtiloTe continuo esperandoE vou sempre esperar!B...
favoritos

PEDAGOGIA DO AFETO

links