Todos temos um lugar, uma personalidade e um viver no caminho para a morte.
Domingo, 03 de Maio de 2009

 

 

     Hoje,  3 de Maio, é o Dia da Mãe, dia  em que qualquer filho e respectiva mãe, ainda vivos, recordam  com amor e carinho, ainda que com uma ou outra excepção que nada nubla este santo dia, suas tão estreitas e tão originais relações, inigualáveis, passando o dia juntos, ou pelo menos algumas horas ou momentos,  na medida em que puderem, ou em que  filhos e mães recordam com saudade tão triste, lutuosa, os que deles já morreram.

     Actualmente o Dia da Mãe comemora-se no primeiro domingo de Maio, mas já se comemorou a 8 de Dezembro.

     A seguir  insiro neste meu blogue um poema que há muitos anos, umas quatro dezenas de anos, dediquei às mães, poema singelo, em quadras, em que friso, sempre no primeiro verso, de quatro sílabas, uma das qualidades de uma mãe e depois, nos três versos seguintes de cada quadra, de sete sílabas, explano, relativamente, claro, cada uma dessas qualidades das mães.

 

 

                                                         MÃE

 

                                                    

                                Mãe, doce mãe,

                                que ao ventre deste calor,

                                a carne da tua carne

                                e alma do teu amor;

 

                                mãe, estóica mãe,

                                sublime na hora do parto,

                                corpo rasgado de dor

                                e coração de amor farto;

 

                                mãe, pia mãe,

                                corpo em cansaço prostrado,

                                na luta do pão para os filhos

                                em suor  e amor amassado;

 

                                mãe, meiga mãe,

                                no mal divina enfermeira,

                                com remédios de carinho

                                que duram a vida inteira;

 

                                mãe, triste mãe,

                                que vês teu filho abalar

                                para a guerra crua e atroz,

                                sem saber se o vês voltar;

 

                                mãe, pobre mãe,

                                que o filho longe morreu,

                                chora para sempre tua alma

                                a riqueza que perdeu;

 

                                mãe, santa mãe,

                                alma e corpo aos filhos teus,

                                tesouro noutro tesouro,

                                um bocadinho de Deus.   

 

 

                         

                                (Poema meu.)                  

 

 http://olhaioliriodocampo.blogspot.com/2007_12_01_archive.html                                                                                                       

                                                                              Mírtilo  

                                                  

  

 

                                                    

 

                                          

 

         



mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

DIA DA MÃE

Últ. comentários
Caro Amigo:É já tarde que venho responder ao seu c...
Caro amigo, embora tardiamente, quase tudo se sabe...
Poetaporkedeusker:Grato pela visita a esta «sepulc...
MírtiloE se eu te disser que também tenho medo des...
Esqueci-me de dizer duas coisas... ainda estou "a ...
:) entendo, Poeta. Mas eu penso que quero e posso ...
Poeta, é bem verdade! Todos nós vamos cavando as n...
Maria Luísa:Os meus agradecimentos pelas tuas vári...
Poetaporkedeusker:O meu agradecimento, muito atras...
MírtiloTe continuo esperandoE vou sempre esperar!B...
favoritos

PEDAGOGIA DO AFETO

links