Todos temos um lugar, uma personalidade e um viver no caminho para a morte.
Domingo, 03 de Maio de 2009

 

     Domingo é o dia geralmente consagrado ao descanso, é um dia em que, pela legislação do trabalho, se interrompe, ou deve interromper, durante esse dia, a relação laboral com a entidade patronal, seja ela uma entidade além de nós, ou propriamente nós, para efeitos de descanso.

     O domingo é, ou deverá ser, obviamente mais do que os outros dias, dedicado à família, aos amigos, à sociedade e, digamos, porque não, também à religião, pelo menos para as pessoas mais crentes e mais praticantes religiosamente.

     A palavra domingo, que em latim se dizia «dies dominicus», isto é, «dia do Senhor»  – e diga-se que todos os dias em latim tinham a palavra «dies» («dia») –,  ao passar para português deixou cair o elemento «dia», e o elemento fundamental, «dominicus», um adjectivo, com o acusativo «dominicum»  – e era do acusativo latino de adjectivos e substantivos que se fazia o aportuguesamento –, viria a dar em português «domingo».

     Entre os Cristãos, o domingo deve ser  realmente consagrado ao descanso e à oração, formulando-lhes a Igreja o dever de irem à missa.

     É claro que há actividades, hoje muito mais que antigamente,  em que alguém tem de trabalhar ao domingo, para bem dos que descansam. 

                                                                                                          

                                            *  *  *    

 

     Deixarei aqui, a seguir, um poema de domingo, que há muitos anos fiz, num início de Primavera, aí pelos fins da década de sessenta, poema simples e realista naquela altura, mas que hoje ainda mantém muito do seu realismo.

 

 

                                                                     

                                    POEMA DE DOMINGO

 

 

                        É domingo,

                        um sol bonito banha o dia,

                        e apaga as imagens tristes

                        dos dias de frio e chuva; 

                        é dia de descanso,

                        há doce imobilidade

                        pelas ruas e recantos

                        e das casas sai pouca gente,

                        como se o sol da manhã

                        fosse por todas as janelas

                        afagar e adormecer as pessoas;

                        é dia do Senhor;

                        nascem flores em prados e montes,

                        pássaros gorjeiam seus arroubos,

                        espreguiçam-se os mares,

                        canta-se a missa nas igrejas

                        e o eco estremece-as

                        divinamente;

                        é dia do Senhor,

                        é dia do Senhor;

                        pelos campos e aldeias

                        dormem as noras e os carros,

                        os tractores e os arados,

                        ruminam os animais

                        e os homens fumam ao sol,

                        mansamente,

                        encostados aos muros;

                        nos jardins de Lisboa

                        lêem-se ao sol os jornais,

                        engraxam-se os sapatos,

                        e os cegos não esmolam nas ruas;

                        é dia do Senhor,

                        é dia de paz ...

                        Mas há tantos corações

                        em que é dia de tristeza,

                        desengano, angústia, 

                        crueldade, luto ...

                        Oh! Lá longe, noutras terras,

                        noutros continentes,

                        não há paz para os homens,

                        não é dia do Senhor ...

                        Selvas de África,

                        da América Latina,

                        planaltos da Ásia,

                        desertos do Médio Oriente ...

                        aí atroam armas e mais armas,

                        explodem bombas e mais bombas,

                        corre sangue e sangue,

                        é dia de horror, sem sol,

                        noite de fogo, pavorosa,

                        guerra, destruição, morte

                        – oh, que dia tão triste e negro

                        pode ser o dia do Senhor!...

 

 

                        (Poema meu.)

 

  http://www.cosmo.com.br/noticia/21330/2009-02-11/missas-lembram-o-dia-dos-enfermos-em-campinas.htmlhttp://parquedospoetas.blogspot.com/2009/01/imagens-da-guerra-gaza-israel.html

                                                                               Mírtilo

publicado por Mírtilo MR às 12:33


mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

DOMINGO

Últ. comentários
Caro Amigo:É já tarde que venho responder ao seu c...
Caro amigo, embora tardiamente, quase tudo se sabe...
Poetaporkedeusker:Grato pela visita a esta «sepulc...
MírtiloE se eu te disser que também tenho medo des...
Esqueci-me de dizer duas coisas... ainda estou "a ...
:) entendo, Poeta. Mas eu penso que quero e posso ...
Poeta, é bem verdade! Todos nós vamos cavando as n...
Maria Luísa:Os meus agradecimentos pelas tuas vári...
Poetaporkedeusker:O meu agradecimento, muito atras...
MírtiloTe continuo esperandoE vou sempre esperar!B...
favoritos

PEDAGOGIA DO AFETO

links
subscrever feeds