Todos temos um lugar, uma personalidade e um viver no caminho para a morte.
Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

 

 

     A poesia sempre me tomou muito, tanto positivamente como negativamente. No aspecto positivo, servindo-me de tão bom alimento para a alma  — dando-me então prazer, um prazer que parece não ser deste mundo, ou das pessoas em geral —  e permitindo-me conhecê-la melhor, embora sem o conseguir de todo, dados os labirintos e recônditos cantos e recantos que a alma possui ou que parece inventar. No aspecto negativo, trazendo-me tantas vezes, para não dizer quase sempre  — devido ao tipo de poesia que fazia, e ainda faço —,  além de perda de tempo relativamente aos aspectos materialistas das vidas de todos nós, trazendo-me, dizia, tristeza, angústia, desespero, revolta, desistência, dor, doença, poderei até dizer morte ... , e acrescentar, a este respeito de morte, como nota  do máximo de intimidade em mim, que, em certo aspecto, morri há muito, ainda muito jovem ... Mas, ainda assim, acho que foi bom, muito bom, ter feito poeticamente o que fiz.

     Os meus poemas são geralmente extensos e dramáticos, por vezes raiando algo de trágico, estando de harmonia com a sensibilidade e a imaginação que me estremecem o âmago e que vão por aí à minha volta, ou mais além, ou por esse mundo ...

     Desta feita, porém, postarei aqui um poema que não é extenso.

 

 

 

                                                       Dor

 

 

Meu corpo tem dores de mártir

e grilhos de escravo eterno,

tem espuma de cavalo fustigado

e sangue de homem decepado;

foi fonte, luz, esperança,

sonho de aldeia e de cidade;

depois foi muralha encolhida

onde chocaram balas de realidade

e correram os prantos quentes 

do destroçar das ilusões.

 

Tenho no sangue o tempo

que o tumultua e enche

de cataratas de desespero,

nos miolos tenho um vulcão

que me quebra a fronte

em cefalalgias de loucura;

com força e ânsia correria

para longe deste fracasso,

ou dormiria até acordar outro,

sem memória ou sem conhecer o mundo.

 

 

 

(Poema meu.)

 

 

 

 

 

                                                                                                                      Mírtilo 

publicado por Mírtilo MR às 16:24


mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

A POESIA

Últ. comentários
Caro Amigo:É já tarde que venho responder ao seu c...
Caro amigo, embora tardiamente, quase tudo se sabe...
Poetaporkedeusker:Grato pela visita a esta «sepulc...
MírtiloE se eu te disser que também tenho medo des...
Esqueci-me de dizer duas coisas... ainda estou "a ...
:) entendo, Poeta. Mas eu penso que quero e posso ...
Poeta, é bem verdade! Todos nós vamos cavando as n...
Maria Luísa:Os meus agradecimentos pelas tuas vári...
Poetaporkedeusker:O meu agradecimento, muito atras...
MírtiloTe continuo esperandoE vou sempre esperar!B...
favoritos

PEDAGOGIA DO AFETO

links