Todos temos um lugar, uma personalidade e um viver no caminho para a morte.
Sexta-feira, 03 de Julho de 2009

 

                                                  http://miuikablogspotcom.blogspot.com/2009/03/o-palacio-de-sbento-com-o-seu-auditorio.html

 

     A Assembleia da República é o órgão legislativo, por excelência, do País, onde, além das leis em geral, se discute e aprova o tão necessário Orçamento do Estado, para o funcionamento do País, e é representativa de todos os Portugueses.

     Haverá talvez quase uns vinte anos que a Assembleia da República passou a exigir no seu Hemiciclo, quando necessário, ou em datas estipuladas, a presença de membros do Governo para este responder a certas questões que se prendem com as leis ou com aspectos da governação, o que muitas vezes suscita gritantes e inflamados debates.

     A Assembleia tem acima dela, na hierarquia do Estado, o Presidente da República, que  poderá dissolvê-la em determinadas circunstâncias.

     A Assembleia tem de ser, sem qualquer dúvida, um órgão respeitável e democrático, mas os Portugueses, devido a cenas menos dignas que se foram habituando a ver em transmissões televisivas e também por relatos da imprensa em geral, foram ao longo dos anos, sobretudo mais recentemente, criando da Assembleia da República uma imagem algo ou muito negativa, não só por as decisões nela aprovadas não serem por vezes as melhores para o País em geral, sobretudo para as classes mais desfavorecidas, como também por cenas de comportamento menos dignas por parte de alguns deputados, ou de membros do Governo, tendo culminado agora com a cena talvez pior, mais reprovável, a que se assistiu, por parte de um membro do Governo, o que, mais uma vez, espalhou pelo País nova acha à reprovadora impressão que os Portugueses têm da Assembleia da República.

      

 

                

     

     Mais ou menos a propósito ou  a jogar com o caso de agora transcreve-se um soneto feito há já uns anos.                               

 

 

 

                       

                            Assembleia da República

 

 

 

Na Assembleia da República, os deputados

não podem, em geral, votar em liberdade

— disciplina do partido, egoísta verdade,

conserva-os como em unido feixe atados.

 

 

E se tal transgredirem, serão castigados.

Com maioria absoluta há possibilidade

de um partido impor sua egoísta vontade,

que os mais só poderão calar-se ou ficar irados.

 

 

Sem tal maioria há debate mais democrático

e legialação melhor para aprovar.

Mas na Assembleia sempre haverá discurso enfático,

 

 

a voz simples e a voz que quase não vai falar

e voz agressiva e gesto de insulto prático,

deputados com sono e outros a faltar.

 

 

 

 

(Poema meu.)

 

 

 

 

 

                                                                                  Mírtilo

 

 

 

 

 



mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Últ. comentários
Caro Amigo:É já tarde que venho responder ao seu c...
Caro amigo, embora tardiamente, quase tudo se sabe...
Poetaporkedeusker:Grato pela visita a esta «sepulc...
MírtiloE se eu te disser que também tenho medo des...
Esqueci-me de dizer duas coisas... ainda estou "a ...
:) entendo, Poeta. Mas eu penso que quero e posso ...
Poeta, é bem verdade! Todos nós vamos cavando as n...
Maria Luísa:Os meus agradecimentos pelas tuas vári...
Poetaporkedeusker:O meu agradecimento, muito atras...
MírtiloTe continuo esperandoE vou sempre esperar!B...
favoritos

PEDAGOGIA DO AFETO

links